terça-feira, 19 de julho de 2016

Missa de Sétimo Dia !!

Os familiares do advogado Milton Lima Neto, que faleceu dia 15 próximo passado, convidam parentes e amigos para a missa de sétimo, que será celebrada, quinta-feira (21), às 8 horas da manhã na Igreja Matriz de Castelo do Piauí.

Antecipado a família enlutada agradece a todos que comparecem à este ato de fé e solidariedade cristã.



Edição: Jurandir Viana 

sexta-feira, 15 de julho de 2016

PMDB Perde Forte Liderança em Castelo do Piauí !!

Morreu na manhã desta sexta-feira, 15 de Julho, o advogado Milton Lima Neto, herdeiro político de uma das mais tradicionais famílias de Castelo do Piauí. "Miltão" como era conhecido, estava com 55 anos e há vários dias permanecia internado na UTI do Hospital São Paulo em Teresina, por causa de problemas cardíacos.

Milton Lima Neto - Completaria 56 anos em Novembro.

Recentemente ele foi submetido a intervenção cirúrgica (Mamárias), mas não resistiu e faleceu por volta das 4 e 20 da manhã de hoje (15). 

O corpo está sendo velado na Pax União (Teresina), e será sepultado às 17:00h no Cemitério São José, aonde jaz outros membros da família Lima.

Milton Neto, foi vereador na legislatura de 1993 a 1996, quando disputou e perdeu eleição para o cargo de prefeito. Era do quadro do PMDB e tinha laços de amizade com Themistocles Filho, presidente da Alepi. 

No governo Mão Santa, foi Superintendente da Divisão de Presídios da Secretaria de Justiça e Cidadania. Deixa o irmão JR (Vice-prefeito de Castelo), a irmã Carmem Dolores e 3 sobrinhos, dentre eles, R. Neto (Vereador em Castelo). Era filho do Coronel da PM-PI Raimundo Soares do Nascimento e Teneusa Lima, herdeira do líder político Milton Lima, que foi prefeito de Castelo várias vezes.

Dr. José Maia, decretou luto oficial durante 3 dias, devido ao infausto falecimento do ex-vereador de Castelo do Piauí.



Por: Jurandir Viana

quinta-feira, 7 de julho de 2016

ELEIÇÕES 2016: Atenção ao Que é Permitido ou Proibido !!

A legislação sobre propaganda eleitoral nas Eleições Municipais de 2016 contém uma série de restrições para as quais os candidatos a prefeito, vice-prefeito ou vereador, partidos e coligações devem ficar atentos. A propaganda eleitoral está liberada a partir do dia 16 de agosto e termina no dia 1º de outubro, na véspera da eleição, em primeiro turno. As regras estão na Resolução TSE nº 23.457/2015, que trata da propaganda eleitoral, do horário gratuito no rádio e na TV e das condutas ilícitas na campanha de 2016. As punições para quem descumprir as proibições impostas vão de multa até mesmo detenção. O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Admar Gonzaga, alerta os candidatos, partidos e coligações sobre a necessidade de respeito às regras da propaganda eleitoral, para evitar problemas futuros. “É preciso muita atenção, posto que a propaganda antecipada, quando exorbitante – seja quantitativa ou qualitativamente – pode configurar abuso de poder econômico, algumas vezes associado a uso indevido dos meios de comunicação, de que dispõe o artigo 22, inciso XIV, da Lei Complementar nº 64/90, que pode resultar na cassação do registro ou do diploma, além de uma inelegibilidade pelo período de oito anos”, esclarece.

Além disso, adverte o ministro, é necessário que o agente público tenha muito cuidado com a publicidade institucional. “Sobretudo agora, quando proibido o financiamento de campanha por pessoa jurídica, do que se conclui que muito mais grave será a utilização de recursos públicos para essa espécie de divulgação, seja ela antes do período crítico (do artigo 73, inciso VI, alínea b, da Lei nº 9.504/97), ou durante esse período [três meses antes do pleito], que será tomado como algo muito mais grave”, destaca o magistrado.

Propaganda intrapartidária

Ao candidato que pretende concorrer nas eleições de outubro, a lei permite que ele possa fazer propaganda intrapartidária, nos 15 dias anteriores à convenção do partido, com o objetivo de promover a indicação de seu nome. Pode inclusive colocar faixas e cartazes em local próximo à convenção, com mensagem dirigida aos convencionais, sendo proibido, no entanto, o uso de rádio ou televisão e de outdoor. As regras determinam que essa propaganda deve ser imediatamente retirada logo após o evento. As convenções dos partidos para deliberar sobre coligações e escolha de candidatos a prefeito, vice-prefeito e a vereador devem ocorrer de 20 de julho a 5 de agosto.

Propaganda antecipada

A lei não considera propaganda eleitoral antecipada se não houver pedido explícito de voto, menção a uma pretensa candidatura, e a exaltação das qualidades pessoais dos pré-candidatos. Permite a participação de filiados a partidos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos. As emissoras de rádio e TV devem dar tratamento isonômico aos pré-candidatos. Será considerada propaganda eleitoral antecipada a convocação por parte do presidente da República, dos presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal (STF), de redes de radiodifusão para divulgar atos que denotem propaganda política ou ataques a partidos e seus filiados ou instituições.

No Rádio e na TV

Desde 30 de junho, as emissoras de rádio e televisão estão proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena, no caso de sua escolha na convenção partidária, de aplicação de multa e de cancelamento do registro da candidatura de quem tenha se beneficiado. Já a partir de 6 de agosto, as emissoras ficam impedidas, em sua programação normal e noticiário, de veicular propaganda política e dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação, entre outras restrições.

Propaganda eleitoral geral

Qualquer que seja a sua forma ou modalidade, a propaganda eleitoral sempre mencionará a legenda partidária e só poderá ser feita em língua nacional. Além disso, não deverá usar de meios publicitários destinados a criar, artificialmente, na opinião pública, estados mentais, emocionais ou passionais. Para a eleição majoritária (prefeito e vice-prefeito), a propaganda da coligação utilizará, obrigatoriamente, sob sua denominação, as legendas de todos os partidos que a compõem. A propaganda dos candidatos a cargo majoritário deverá conter também os nomes dos candidatos a vice, de modo claro e legível, em tamanho não inferior a 30% do nome do titular. Já na propaganda para a eleição proporcional (vereador), cada partido usará somente a sua legenda sob o nome da coligação. A lei estabelece que a realização de qualquer ato de propaganda partidária ou eleitoral, em local aberto ou fechado, não depende de licença da polícia.

Alto-falantes, showmícios, brindes e outdoors

É permitido o uso de alto-falantes ou amplificadores de som na propaganda eleitoral somente das 8h às 22h, sendo proibido o uso desses equipamentos a menos de 200 metros das sedes dos Poderes Executivo e Legislativo da União, dos estados, do Distrito Federal, dos municípios, hospitais, casas de saúde, escolas, bibliotecas públicas, entre outras instituições. A Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97) proíbe também a realização de showmício e de evento assemelhado para promover candidatos. E, ainda, a apresentação, remunerada ou não, de artistas com a finalidade de animar comício e reunião eleitoral.

Também é proibido ao candidato ou comitê distribuir na campanha brindes, camisetas, chaveiros, bonés, canetas, cestas básicas ou qualquer outro bem ou material que possa proporcionar vantagem ao eleitor. Neste caso, o infrator poderá responder pela prática de compra de voto, uso de propaganda vedada e, conforme a conduta, por abuso de poder. A propaganda eleitoral por meio de outdoors, inclusive eletrônicos, não é permitida. A empresa responsável, os partidos, as coligações e os candidatos que desrespeitarem essa regra estão sujeitos à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa no valor de R$ 5 mil a R$ 15 mil.

Não é possível o uso de engenhos ou de equipamentos publicitários ou de conjunto de peças de propaganda que, justapostas, se assemelhem ou causem efeito visual de outdoor.

Propaganda em bens públicos e particulares

É vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, colocação de placas, faixas, estandartes, cavaletes, bonecos e peças afins em bens em que o uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam. E ainda nos bens de uso comum, inclusive postes de iluminação pública, sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos. Também é proibida a colocação de propaganda eleitoral em árvores e jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios.

Já a propaganda em bens particulares não depende de licença municipal e de autorização da Justiça Eleitoral, desde que seja feita em adesivo ou em papel, não supere a meio metro quadrado e não contrarie a legislação eleitoral. A justaposição de adesivo ou de papel em que a dimensão exceda a meio metro quadrado configurará propaganda irregular, devido ao efeito visual único, mesmo que a publicidade, individualmente, tenha respeitado a dimensão prevista. A lei estabelece que a propaganda eleitoral em bens particulares deve ser espontânea e gratuita. Está proibido qualquer tipo de pagamento em troca de espaço para essa propaganda.

Folhetos, adesivos e derrame de propaganda

Também não é necessária licença municipal e de autorização da Justiça Eleitoral para veicular propaganda eleitoral por meio de folhetos, adesivos, volantes e outros impressos. Esses devem ser editados sob a responsabilidade do partido, da coligação ou do candidato. É facultada a impressão em braille de seus conteúdos. Todo material impresso de campanha terá que trazer o CNPJ ou o CPF do responsável pela confecção, bem como de quem a contratou, e a respectiva tiragem. O infrator que descumprir essa regra responderá pelo uso de propaganda vedada e, se for o caso, por abuso de poder. Ainda que feito na véspera da eleição, o derrame (ou a sua concordância) de material de propaganda no local de votação ou em áreas próximas se caracterizará como propaganda irregular.

Propaganda na internet e telemarketing

A propaganda eleitoral pela internet também está liberada a partir de 16 de agosto. A resolução do TSE afirma que a livre manifestação do pensamento do eleitor identificado na internet somente é passível de limitação quando ocorrer ofensa à honra de terceiros ou divulgação de fatos sabidamente inverídicos. É proibida a propaganda eleitoral paga na internet. Será possível fazer propaganda eleitoral na internet em sites do candidato, do partido ou coligação e por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, pelo partido ou coligação. E também por meio de blogs, redes sociais, sites de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja gerado ou editado por candidatos, partidos, coligações ou de iniciativa de qualquer pessoa natural. Não é admitida a propaganda eleitoral pela internet, ainda que gratuita, em sites de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, e em sites oficiais ou hospedados por órgãos ou por entidades da administração pública direta ou indireta da União, estados, Distrito Federal e dos municípios. É livre a manifestação do pensamento, sendo proibido o anonimato na campanha eleitoral na internet. A lei assegura o direito de resposta, inclusive por outros meios de comunicação interpessoal mediante mensagem eletrônica. Sem prejuízo das sanções civis e criminais ao responsável, a Justiça Eleitoral poderá determinar, por solicitação do ofendido, a retirada de publicações que contenham agressões ou ataques a candidatos em sites da internet, incluindo redes sociais. É proibida a venda de cadastro de endereços eletrônicos. As mensagens eletrônicas enviadas por candidato, partido ou coligação, por qualquer meio, deverão conter mecanismo que permita ao destinatário se descadastrar, sendo o remetente obrigado a providenciar a retirada do nome em 48 horas. As mensagens encaminhadas após esse prazo sujeitam os responsáveis à multa de R$ 100,00 por mensagem. Quem fizer propaganda eleitoral na internet, atribuindo de forma indevida sua autoria a terceiro, inclusive candidato, partido ou coligação, será punido com multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil, sem prejuízo das demais sanções legais cabíveis. Está proibida a propaganda eleitoral via telemarketing em qualquer horário.

Na imprensa escrita

Até a antevéspera das eleições, pode haver a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na internet do jornal impresso, de até dez anúncios de propaganda eleitoral, por veículo, em datas diversas, para cada candidato, no espaço máximo, por edição, de um oitavo de página de jornal padrão e de um quarto de página de revista ou tabloide. O anúncio deverá trazer, de maneira visível, o valor pago pela inserção. Está autorizada a reprodução virtual no site do próprio jornal de sua edição impressa, independentemente de seu conteúdo. No entanto, deve ser respeitado integralmente o formato gráfico e o conteúdo editorial da versão impressa. Não será tomada como propaganda eleitoral a divulgação de opinião favorável a candidato, partido ou coligação pela imprensa escrita, desde que não seja matéria paga. Porém, serão apurados e punidos os abusos e os excessos, assim como as demais formas de uso indevido do meio de comunicação.

Debates

Os debates veiculados nas emissoras de rádio e TV seguirão as regras estabelecidas por acordo feito entre os partidos e a pessoa jurídica interessada na realização do evento, além de ser necessário comunicar à Justiça Eleitoral com antecedência. Candidato na eleição proporcional (vereador) somente pode participar de apenas um debate na mesma emissora. Quando transmitidos na televisão, os debates deverão usar, entre outros recursos, sub-titulação por meio de legenda oculta, janela com intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e auto-descrição. No primeiro turno, o debate poderá ser feito até as 7h do dia 30 de setembro. E, em caso de segundo turno, até a meia-noite de 28 de outubro.

Propagandas não toleradas

A legislação proíbe propaganda de guerra, de processos violentos para subverter o regime, a ordem política e social, ou de preconceitos de raça ou de classes. Veda ainda o incitamento de atentado contra pessoa ou bens; caluniar, difamar ou injuriar qualquer pessoa, além de atingir órgãos ou entidades que exerçam autoridade pública; perturbe o sossego público; prejudique a higiene e a estética urbana, entre outras.



Edição: Jurandir Viana

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Jogador do River Playt Foi Denunciado Por Cusparada !!

Na manhã desta segunda-feira, 4 de Julho, Francisco Sales da Silva Filho (Neném Sales), registrou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), na Cadeia Pública de Castelo do Piauí, contra o jogador "Bibil" que atuou pelo River Playt na 15ª Copa Mangueira de futebol amador. Neném Sales, integrou o quarteto de arbitragem que mediou os jogos da competição.
 
Sábado, 2 de Julho, Neném, estava como auxiliar nº 1 de Mauro César Evangelista, árbitro do quadro da FFP e CBF, durante a final entre Baixada e River Playt. "Bibil" que entrou no segundo tempo, quando seu time perdia de 1 a 0, reclamou, que a bola não tinha saído, diferindo da marcação do bandeirinha. O jogador não contente, disparou alguns impropérios dirigidos ao auxiliar, que levantou a bandeira chamando atenção do apitador central, que ao ouvir o relato não teve dúvida em mostrar cartão vermelho, excluindo o camisa 21 da partida decisiva. No trajeto, ainda revoltado com a expulsão, "Bibil" ao passar por Neném na linha lateral do campo, deu-lhe uma cusparada no rosto. Zé Wilson, auxiliar técnico de Osvaldo Ribeiro, retirou o jogador do local, levando-o para o banco de reservas e depois para o vestiário do estádio Portelão.

Por causa da agressão, no mesmo dia, Neném Sales, deixou claro que iria representar criminalmente contra o jogador riverino, fato que ocorreu nesta segunda.



Por: Jurandir Viana  

HÁ QUATRO ANOS, TIMÃO VENCIA BOCA JUNIORS E SE SAGRAVA CAMPEÃO DA LIBERTADORES !!

A partir de 2012, o dia 04 de julho jamais foi o mesmo para a Fiel. Naquela noite de quarta-feira, no estádio do Pacaembu, o Corinthians derrotou o Boca Juniors, da Argentina, por 2 a 0, conquistou a tão sonhada Copa Libertadores da América e fez a alegria de mais de 30 milhões de torcedores.
Sob o comando do técnico Tite, o Timão entrou em campo invicto para decidir o título continental, enquanto o oponente argentino carregava o fato de não ser superado longe de seus domínios – fato que mudou naquele 04 de julho. Aos oito minutos do primeiro tempo, o atacante Emerson Sheik aproveitou passe de calcanhar de Danilo dentro da área, dominou com a barriga e fuzilou o gol de Orión, inflamando os exatos 37.959 corinthianos presentes no Pacaembu.
O destino, porém, reservaria mais para a torcida que aguardou por mais de 100 anos a conquista da América. Sheik, novamente, desta vez aos 27min do segundo tempo, se beneficiou de passe ruim do zagueiro Schiavi no meio de campo, carregou em velocidade e bateu com categoria na saída do goleiro Sabastián Sosa, que substituíra o arqueiro titular na primeira etapa. 2 a 0 para o “bando de loucos”.
Com a pintura de Sheik, o Timão pôde, de maneira invicta, comemorar o triunfo histórico sobre um dos clubes de maior tradição na Libertadores. Em 14 jogos disputados no campeonato, o elenco de Tite somou oito vitórias, seis empates e nenhuma derrota, aproveitamento este de 71,4%. Ao todo, o esquadrão alvinegro anotou 22 gols e sofreu apenas quatro.

CONFIRA A FICHA TÉCNICA DE CORINTHIANS 2 X 0 BOCA JUNIORS (ARG)

Local: Pacaembu, São Paulo (SP) – Data-hora: 4/7/2012, 21h50
Árbitro: Wilmar Roldan (COL) – Assistentes: Abrahan Gonzales e Humberto Clavijo (COL)
Renda e público: R$ 2.580.912,50 / 37.959 pagantes
Cartões amarelos: Chicão, Leandro Castán e Jorge Henrique (COR); Mouche, Schiavi, Caruzzo e Santiago Silva (BOC)
GOLS: Emerson Sheik, 8/2ºT (1-0); Emerson Sheik, 27/2ºT (2-0)
CORINTHIANS: Cássio, Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo e Alex (Douglas – 43/2ºT); Emerson Sheik (Liedson – 46/2ºT) e Jorge Henrique (Wallace – 46/2ºT). Técnico: Tite
BOCA JUNIORS: Orión (Sosa Silva – 32/1ºT), Sosa, Schiavi, Caruzzo e Clemente Rodríguez; Somoza, Ledesma (Cvitanich – 20/2ºT), Erviti e Riquelme; Mouche (Viatri – 37/2ºT) e Santiago Silva. Técnico: Julio Cesar Falcioni

ASSISTA OS DOIS GOLS MARCADOS POR EMERSON SHEIK NA FINAL

CONFIRA ALGUMAS FOTOS DO JOGO HISTÓRICO

(Fotos: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians)
Edição: Jurandir Viana - Corintiano de corpo, alma, coração e sangue.

sábado, 2 de julho de 2016

Foi de Lambreta !!

Ser bicampeão é bom, contra o maior rival é melhor ainda.

O gol único da partida foi marcado por Paulinho Castelo aos 16 minutos da etapa inicial. 

576 pessoas pagaram para ver o feito da Baixada diante do River Playt no estádio Portelão, neste sábado (2/7).

O árbitro do jogo Mauro César Evangelista (FFP), expulsou Bibiu do River por agressão (Cuspida no rosto), do bandeirinha Neném Sales. Beto também trabalhou como auxiliar e Gilson Carlos, esteve de regra 3.

A Baixada jogou e venceu com: Edipaulo, Juliano, Buchecha, Gel, Dez, Jardel, Neto Pitchula, Peter Croush, Júnior Corredores, Danielzinho e Paulinho. O técnico Zilderlândio Matos, usou também: Chico Alberto, Neguinho e Marquinhos no segundo tempo.

O River Playt perdeu pelo segundo ano consecutivo, com: Júnior Araújo, Rair, Leleco, Joel, Kleber, Eltinho, Batata, Cleitinho, Netinho, Gerlan e Kesley. Osvaldo Ribeiro fez as 5 substituições que lhe era permitido e mandou a campo na etapa final: Bruno Mourão, Bibiu, Zagallo, Raú e Alyson.

A torcida Bicolor esperou muito tempo para conquistar o bicampeonato da Copa Mangueira, mas quando aconteceu, foi da forma mais espetacular possível: Vitória pelo placar minimo e gol do maior nome da equipe, Paulinho Castelo, contra o tradicional adversário. Foi do jeito que a massa desejava e queria.

Alegria, alegria a Beira-Rio, tá que é só festa.



Por: Jurandir Viana  

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Copa Mangueira Homenageará Augustinho Marreca e Antonino de Gola !!

O campeão da 15ª edição receberá o troféu que leva o nome de Agustinho Gonzaga da Silva (Agustinho Marreca), o vice ficará com a taça denominada Antonio Augusto Vasconcelos (De Gola). A opção da Comissão Organizadora, se deu, devido ao infausto falecimento de ambos recentemente.

Na noite de quinta-feira, 30 de Junho, foi confirmado o nome do árbitro para a grande final da Copa Mangueira, que acontecerá neste sábado, 2 de Julho, entre River Playt e Baixada, às 15:30h no estádio Portelão. Trata-se de Mauro César Evangelista, apitador dos quadros da FFP e CBF. Os auxiliares serão de Castelo do Piauí, a escolha acontecerá momentos antes da partida.

A Diretoria do Mais Querido (River), está confiante e garante que trará todos os jogadores contratados para esta temporada. A campanha do Tricolor Piçarrense começou com uma boa vitória diante do São Paulo Buritiense por 2 a 0. Seguiu de uma estrondosa derrota para o Real Madri da Vereda (4 x 1). O confronto com a Baixada não aconteceu na fase de grupos, porque ambos estavam classificados e acordaram pela não realização da partida. Na semifinal o River bateu o Alto Bonito por 3 a1 e assegurou vaga na final com excelente atuação da sua onzena titular e suplentes que entraram no decorrer da disputa.

A Baixada venceu seus dois compromissos na fase de classificação e amarrou o burro na sombra, deixando o rebolo para os adversários. A semifinal contra a fortíssima Pedreira, gerou resenha antes, durante e depois da vitória maiúscula pelo escore de 3 a 1. Ratificando o que todos queriam ver a muito tempo numa final de Copa Mangueira, o Dérbi castelense. Estava feito e agora todos aguardam o duelo que terá o estádio municipal como palco deste jogo histórico a ser disputado neste sábado (2/7).

Este grande evento terá cobertura da Rádio Am Cidade de Castelo - 1.470 KHz. O pré-jogo começará às 14:30h sob o comando de Jurandir Viana e todas as emoções da partida, vocês viverão nas vozes de Fábio Mesquita e Gilberto Alves. Sintonize e vibre do começo ao fim da jornada esportivo, que premiará com R$ 4.300,00 (Quatro mil e trezentos reais), o campeão, e R$ 2.200,00 (Dois mil e duzentos reais), o vice-campeão. Melhor goleiro da final receberá R$ 100,00 (Cem reais), mesmo valor, será pago ao artilheiro do certame.

INGRESSOS MAJORADOS

Os times solicitaram e a Organização concordou que seja cobrado o valor de R$ 5,00 (Cinco reais), no preço dos ingressos na bilheteria do Portelão. O Real adicional será rateado entre as equipes finalistas.



Por: Jurandir Viana